Autora: Catarina Delaunay


Artigo |Delaunay, C. (2017), Activismos virtuais em matéria de Procriação Medicamente Assistida em França e em Portugal. Fórum Sociológico, 30.


Resumo: Neste artigo, abordamos o envolvimento das mulheres através das plataformas online da Asso-ciação Portuguesa de Fertilidade e da sua congénere francesa, a Association MAIA, na promoção do direito à saúde e do acesso à Procriação Medicamente Assistida (PMA) com dadores terceiros (ovócitos e/ou espermatozoides). Além de recolherem informações e partilharem de experiências, os membros das associações afirmam o seu direito a participar publicamente e de forma ativa na luta contra a falta de dadores de gâmetas, de informações sobre as doenças associadas à infertilidade ou sobre as técnicas de PMA disponíveis, em particular os tratamentos com recurso a doação de gâmetas. A internet funciona como fonte de responsabilização e ativismo. A partir do nosso projeto de pós-doutoramento, propomo-nos abordar esta questão, teórica e empiricamente, com base na análise de fóruns de discussão online de associações de doentes com infertilidade e de entrevistas com mulheres que recorreram à PMA com doação de gâmetas.


Consultar: https://journals.openedition.org/sociologico/1779?lang=en

Autora: Catarina Delaunay


Artigo | Delaunay, M., Santos, M. (2020), Proximidade e distanciamento aos mundos do embrião in vitro experiências significantes em tempos de desassossego, Terceiro Milênio. Revista Crítica de Sociologia e Política, v. 14 n. 01:Travessias (I)


Resumo: Neste artigo, pretendem-se discutir as trajetórias terapêuticas dos(as) beneficiários(as) de técnicas invasivas de procriação medicamente assistida (PMA), entendidas como travessias que envolvem tensões íntimas, momentos de desassossego, bem como fissuras identitárias e corporais. Essas experiências pessoais e significantes — que não se coadunam com os formatos convencionados e uniformizados dos protocolos biomédicos — são abordadas a partir das dimensões de “afeição”, “desapego”, “perda”, “luto”, “abandono” e “libertação” em relação aos embriões criados in vitro. A análise baseia-se nos dados recolhidos de 34 entrevistas semidiretivas em profundidade e 85 questionários validados (inquérito online) com beneficiários(as) de PMA, no âmbito de um projeto mais amplo de investigação sociológica em curso, sobre os significados atribuídos por especialistas e leigos aos embriões humanos criados in vitro, tanto na PMA quanto na pesquisa científica. Esta pesquisa, por ora, mostra como o embrião in vitro se reconfigura entre o “ente vivo” e o “ser humano”, numa relação dinâmica entre “proximidade” e “distanciamento” físicos e emocionais, remetendo para o conceito de liminaridade e para as relações humano-máquina.


Autora: Catarina Barata


Artigo| Barata, C., Coutinho, L., Manfredi, F., & Schamarella, M. (2020). Doctoral research work and work of care: reflections in times of a pandemic. Fennia – International Journal of Geography, 198(1-2), 247–251.


Resumo: In the face of the pandemic, we have been forced to adopt strategies in order to balance our doctoral work at the same time as caring for our families. As the digital turn has pervaded both social and academic milieus, we consider the potentials and shortcomings of remote interactions and approaches and how they have impacted our work and personal lives. We focus on the challenges of balancing paid work and the unpaid work of care, as well as considering potential changes to the concept of care in terms of building a caring culture.


Consultar: https://fennia.journal.fi/article/view/99192

Autora: Catarina Barata


Artigo | Barata, Catarina, Dulce Morgado Neves and Mário JDS Santos (2020) “COVID- 19 Containment Measures, Perinatal Experiences, and the Fight for Childbirth Rights in Portugal.” Medical Anthropology Quarterly Rapid Response Blog Series


Resumo: In Portugal, as in many other countries, the COVID-19 pandemic exposed the highly medicalized, interventionist, and disrespectful manner in which facility-based births were happening before the outbreak. In line with nationwide containment measures adopted to prevent the spread of the disease – particularly within healthcare institutions – several measures and procedures were readily implemented in maternal and newborn care, impacting women’s perinatal experiences and those of their families. After the implementation of these measures self-organized groups of citizens joined civil society organizations in voicing concerns over the multiple limitations on women’s rights in obstetric care services, such as birth companion prohibition, as well as in devising strategies to demand the reinstatement of those rights.


Consultar: https://medanthroquarterly.org/rapid-response/2020/08/covid-19-containment- measures-perinatal-experiences-and-the-fight-for/~